Por duas vezes tentei traduzir um anime: Ansatsu Kyoushitsu, para a minha irmã, e Dagashi Kashi, para tentar ajudar uma fansub. Irei falar das dificuldades que tive e do que aconteceu.

Para começar, tive que traduzir do inglês. Ainda que eu esteja aprendendo Japonês meu conhecimento é tão fraco que só consigo entender expressões simples do cotidiano. Mesmo assim tentei traduzir Ansatsu Kyoushitsu. De início cometi dezenas de erros, com me preocupar com vários aspectos da tradução ao mesmo tempo, e assim demorando muito para traduzir um único episódio. Além disso tive problemas com uma referência que, nem pelo áudio, nem pela tradução em inglês, consegui descobrir o que era.

No final das contas nem cheguei a terminar a tradução. Minha irmã assistiu o anime do jeito dela, isso é, em algum lugar que ela conseguiu achar, não importando a qualidade. Já eu, com um pouco de raiva, terminei o anime assistindo só em Japonês. No final nem fiquei com vontade de assistir de novo, traduzido, como já tinha feito com outros animes.

Passado Ansatsu, e percebendo problemas com a fansub que estava traduzindo Dagashi Kashi, resolvi tentar ajudar. No final das contas não acho que ajudei com muita coisa, pois eles ainda não lançaram os episódios traduzidos, mas o mais importante é que valeu a experiência.

A propósito o que acho bom dessa fansub é que eles deixam muito claros como traduzem: deixam claro que traduzem do inglês, e ainda falam quais são as fontes que usam, isso é, quais fansubs (ou empresas) gringas eles se basearam na tradução. Com base nisso fui atrás das mesmas fontes e continuei a tradução.

Assim como Ansatsu novamente tive problemas com referências, ainda mais porque Dagashi Kashi é repleto delas. É uma história sobre dagashis, que seriam doces, balinhas, chicletes, iogurtes e outras guloseimas que são encontradas em vendas. Como são mostrados dagashis reais várias vezes tive que visitar os sites das fabricantes para saber mais sobre eles. Só que tem um detalhe: várias delas são tão pequenas que ou não tem um site, ou se tem é um site bem simples.

Outro problema que tive foi quanto a adaptar o nome: a fansub gringa que traduziu Dagashi Kashi resolveu trocar “dagashi” por “doce”, o que não dá muito certo porque o termo abrange muito além de doces. Só que a fansub brasileira (ao que eu lembro) não desfez a troca, causando um problema chato na tradução quando aparecia um dagashi que não era code. Por outro lado, como traduzir o nome da loja? Se traduz tudo é “Loja de Doces”, se traduz só parte do nome, “Loja de Dagashis”, se traduz nada e depois explica fica “dagashiya”.

Ainda, um ponto que me deixou na dúvida e de certa forma envolve qualquer fansub que não traduz do japonês: o que fazer se alguém no anime falar em outra língua que não japonês por questão de estilo? Não estou falando de waseigo (como donmai), nem de outras expressões que são praticamente importadas do inglês, mas quando um personagem fala em inglês mesmo. Se deixo como está que sentido faz? Se estou traduzindo do inglês eu sei que quem vai ler não vai entender, porque não sabe inglês. Mas se eu traduzir ninguém vai perceber esse detalhe. Se eu adaptar para outro estilo de fala não vai ser a mesma coisa, é uma situação onde o sentido se perde de um jeito ou de outro.

Desde aquele momento, e até hoje, estou na dúvida se isso vai dar certo ou não. Considero que é um bom aprendizado, não só sobre Inglês e Japonês mas Português também. Quanto ao inglês acho bom ir aprendendo expressões novas, principalmente aquelas que você não aprenderia em um curso de inglês. Quanto ao Japonês há várias falas que consigo traduzir diretamente do Japonês essas traduções, porém elas ficam muito literais, vendo as traduções do inglês aprendo a corrigir elas para que fiquem mais naturais em outras línguas. Português nem se fale, engenheiro escrevendo é uma beleza, só lerem minhas outras postagems.


Gustavo bio photo

Gustavo

Escrevo sobre programas, animes e um pouco mais.

Twitter Github Stackoverflow MyAnimeList